skip to Main Content

Livro traz reflexão e referência para pais e educadores

Com os filhos pequenos à sua volta, Graça Ramos fazia a brincadeira das palavras para estimulá-los a construir um vocabulário rico. “Saía muito disparate”, ela se diverte ao lembrar. Ainda grávida, lia em voz alta para que os bebês em formação se acostumassem à entonação das palavras, às interjeições e às emoções das histórias narradas. Hoje, é a autora comprometida com a qualidade das obras para o público infantojuvenil que emerge das páginas de “Habitar a infância: como ler literatura infantil”, seu mais novo livro.

O prazer da leitura 

“Graça Ramos, ao longo deste volume, sustenta a postura de reconhecer na criança um sujeito produtor de sentidos. Hoje, no entanto, estamos diante de uma geração educada mais pela tecnologia e menos por narrativas escritas. Os modos de percepção encontram-se definitivamente alterados – como pensar, então, o momento único e quase sempre solitário da cena de leitura? Como imaginar esse mundo de papel (título de lindo conto de Pirandello) na cena contemporânea atravessada pela vertigem de telas e hipertextos? Volta-se, assim, a sondar o prazer da leitura e a disposição de vivenciá-la como “entrega dos sentidos”, afirma. Isso não é pouco.”

Prefácio de Stefania Chiarelli no livro “Habitar a infância: como ler literatura infantil”.

Ilustração: Sérgio Luz

Aposta no humor

“Em obras destinadas a crianças, o humor desempenha muitas funções. Além de tornar mais afetiva a relação com o objeto livro e com possíveis intermediários da leitura, o riso permite certo relaxamento de tensões que costumam aparecer, em especial, quando a criança está no início do processo de se tornar leitora. O receio de falhar pode gerar ansiedades e, se o livro provocar risadas, repercussões negativas poderão ser amenizadas ou eliminadas.”

Graça Ramos, no livro “Habitar a infância: como ler literatura infantil”

Ilustração: Sérgio Luz
Ilustração: Sérgio Luz

Livro proporciona conexões inspiradas

“Se você é um pai, ou um professor, que nunca parou para pensar sobre o mundo da literatura infantil, vai encontrar aqui uma saborosa introdução. Se você, ao contrário, já está enfronhado nesse universo, o livro vai proporcionar mergulhos mais profundos, conexões inspiradas (e muitas vezes inesperadas) entre livros, autores, ideias, iniciativas e dilemas tão relevantes.”

Leo Cunha, sobre o livro “Habitar a infância: como ler literatura infantil”.

Ilustração: Sérgio Luz

Ilustrações: Sérgio Luz

Graça Ramos

Graça Ramos

Quem é a autora

Jornalista, Graça Ramos é doutora em História da Arte pela Universidade de Barcelona e mestre em Literatura Brasileira pela Universidade de Brasília (UnB). Autora de A imagem nos livros infantis – caminhos para ler o textovisual (Autêntica), tem obras dedicadas ao infantil: Casa do sabor e Vamos voar as trancinhas? (Autêntica). É autora de Maria Martins: escultora dos trópicos (Artviva), indicado ao Prêmio Jabuti 2010, Ironia à brasileira: o enunciado irônico em Machado de Assis, Oswald de Andrade e Mario Quintana (Paulicéia) e de vários textos ensaísticos. Assinou o blog A pequena leitora, destinado à literatura infantojuvenil, em O Globo. Como voluntária, se dedica à Biblioteca Infantil de Parnaíba (Bipa), no Piauí.

Back To Top